GERAL

Pantera cor de rosa, o fusca que atrai olhares pelas ruas de Schroeder




Alicia Flora Buttner, de 69 anos, chama atenção por onde passa com o fusca | Foto: Gênesis Costa/Schroeder Post

Panteras pintadas atrás, longos cílios na lanterna e uma cor rosa inconfundível. O fusca da professora aposentada Alicia Flora Buttner, de 69 anos, chama atenção por onde passa e, claro, não é diferente, em sua terra natal.

Há três anos o fusca “nascido” em 1984 foi batizado de Pantera Cor de Rosa pela dona, que já o transformou antes e planeja a próxima transformação. Adquirido em  2001, ele já foi vermelho depois do branco original e, pelos planos de Alicia, logo ele deve “desfilar” de preto.
 Investimento para customizar o veículo foi alto: cerca de R$ 20 mil. Foto: Arquivo 

Ela conta que comprou o fusca do ex-marido em 2001 e logo o reformou, transformando-o em vermelho e, depois, em rosa. Os cílios, que chamam a atenção, foram inspirados em outro carro que a aposentada viu em Jaraguá do Sul.

“O rosa é uma cor mais suave, combina mais comigo. Além disso ele tem duas panteras atrás, a Hanna e a Liss. A Liss é revoltada, tentei colocar máscara nela, mas ela não deixa”, brinca. O interior do carro é todo branco e tem, ainda, uma cadeirinha especial para a passageira ilustre que a acompanha nos passeios e viagens: a cachorrinha Animahy.

Ativa, a professora aposentada é frequentemente vista com o fusca pelas ruas de Schroeder e Jaraguá do Sul, onde participa do coral da Scar. Mas, se engana quem pensa que ela só leva o Pantera Cor de Rosa para passear pela região.

Fusca foi batizado de Pantera Cor de Rosa pela dona | Foto: Gênesis Costa/Schroeder Post

Ela conta que já colocou o fusquinha na estrada para visitar São Francisco do Sul, Joinville, Florianópolis e Mato Grosso do Sul. “A minha viagem é sempre muito demorada porque as pessoas que me veem no asfalto pedem para eu ir mais devagar para poder fotografar”, fala.

Alicia lembra, inclusive, de um episódio no qual precisou ficar duas horas parada em um posto de combustível porque todos “pediam uma fotinho”.

“Me atrasei para o almoço de família na Enseada”, lembra. “Mas com certeza é divertido porque quando eu viajo sem ele, parece que falta alguma coisa”, complementa.

Aposentada, a professora lecionou português e inglês por mais de 30 anos, 12 deles em Schroeder, na Escola Miguel Couto, e hoje se dedica ao sítio onde mora sozinha, no Centro.

“Hoje eu faço muitas coisas. Brinco que se o dia tivesse 48 horas eu ainda teria o que fazer no sítio, tem o lago, as plantas, eu estou sempre mudando algo”, diz.

Acostumada a viajar sozinha ou na companhia de Animahy, a aposentada conta que nem os netos a acompanham, mas o motivo é inusitado. “Eles são muito grandes, não cabem no fusquinha”, brinca.

Cadeirinha especial para a passageira ilustre: a cachorrinha Animahy. Foto: Arquivo

A professora aposentada conta que o investimento para customizar o veículo foi alto: cerca de R$ 20 mil. Apesar disso, uma nova reforma não a espanta e, ao contrário, já está sendo planejada.

A notícia deve frustrar as pessoas que se interessam em comprar o Pantera Cor de Rosa. Ele não está à venda e, pelo que conta Alicia, logo o fusca passará de rosa para preto perolado.

Então, quem quiser aproveitar para tirar uma foto com o Pantera, é melhor se apressar.

Fusca já foi vermelho. Foto: Arquivo




 




COMENTÁRIOS







VEJA TAMBÉM