GERAL

Saúde alerta para o aumento no número de focos do Aedes aegypti em Jaraguá do Sul

O número de focos do mosquito da dengue (Aedes aegypti) em Jaraguá do Sul neste ano preocupa a Secretaria Municipal de Saúde.

Para se ter uma ideia, de janeiro a outubro foram encontrados 521 focos, quase 6 vezes mais que em todo o ano de 2020, quando foram registrados 90 focos. O mosquito pode transmitir a dengue, chikungunya, zika e febre amarela, doenças graves que podem matar.

Os bairros com maior número de focos novos são Centro (143 focos), Vila Nova (63 focos) e Ilha da Figueira (37 focos). Os focos são larvas do mosquito Aedes aegypit encontradas tanto em pratinhos de vasos de plantas, plantas aquáticas, ralos, tampinhas de garrafa, bromélias, pneus, quanto em armadilhas instaladas pela equipe de Zoonoses.

Neste ano foram realizadas 64.578 visitas, número bem acima do habitual, que até então era de 40 mil visitas no ano. A cada foco encontrado é delimitado um raio de 300 metros e visita-se imóvel por imóvel alertando sobre a presença dos focos e orientando sobre os cuidados para evitar a proliferação do mosquito.

No caso de imóveis fechados, os agentes de endemias deixam uma solicitação de agendamento para visita posterior, conforme disponibilidade do morador. No caso dos bairros infestados de focos – Centro, Vila Nova, Vila Lenzi Nova Brasília e Vila Baependi – os moradores recebem, no mínimo, cinco visitas em um ano, até que não sejam mais encontrados focos do mosquito do bairro.

A gerente de Vigilância em Saúde, Talita Piccoli Sevegnani, reforça a importância do trabalho realizado pelos agentes de endemias. São eles que visitam os locais das armadilhas e fazem as vistorias em residências.

Mas, infelizmente, os profissionais ainda enfrentam muita resistência por parte das pessoas quanto a mudanças de hábitos ou cuidados a serem tomados.

“Os profissionais estão identificados com colete, crachá e bolsa, higienizados e usando máscaras para proteção individual. Eles cumprem um papel importante no combate ao mosquito da dengue. Pedimos para que as pessoas recebam bem os agentes de endemias”, destaca.

Qualquer dúvida a respeito da área de atuação dos agentes o setor está à disposição por meio do telefone 2106 8315.

Agentes de endemias elaboram levantamento sobre mosquito transmissor da Dengue, zika vírus e chikungunya

A Prefeitura de Jaraguá do Sul, por meio da Vigilância Epidemiológica da Secretaria Municipal de Saúde, está executando o Levantamento de Índice Rápido para o Aedes aegypti (LIRAa), em vários bairros da cidade. O LIRAa é uma atividade que foi criada pelo Ministério da Saúde em 2002, e que permite a identificação de áreas com maior proporção/ocorrência de focos do mosquito, bem como dos criadouros predominantes, indicando o risco de transmissão

Um determinado número de imóveis do município é sorteado para receber a visita dos agentes, que efetuarão coletas de eventuais larvas do mosquito para definir o Índice de Infestação Predial esta atividade visa permitir um direcionamento dos gestores do programa de controle do Aedes aegypit de ações específicas em áreas apontadas como críticas.

De acordo com determinação do Ministério da Saúde, os municípios infestados devem realizar a atividade nos meses de março e novembro, no município de Jaraguá do Sul os trabalhos se iniciam dia 09 de novembro com prazo de 10 dias para término se as condições climáticas forem favoráveis.

Segundo a gerente de Vigilância em Saúde, mesmo que o imóvel tenha sido visitado há pouco tempo, será revisitado neste levantamento.

Casos de dengue
58 casos suspeitos
12 confirmados - sendo 5 casos autóctones (pegos dentro do município) e 7 importados

Número de focos X Depósitos
53 focos - lixo (sucata, copos, brinquedos, utensílios domésticos, vaso sanitário, papel celofane)
34 focos - planta (pratos e plantas aquáticas)
17 focos - tanque ou caixa d’água, fonte, piscina, lonas, ralos e cisterna
12 focos - bromélias e folhas de palmeira
12 focos - tonéis, tambores e bombonas para captação de água da chuva
12 focos - pneu
4 focos - bebedouro de animal

Cuidados dentro e fora de casa
-Tampe os tonéis e caixas-d’água;
-Mantenha as calhas sempre limpas;
-Deixe garrafas sempre viradas com a boca para baixo;
-Mantenha lixeiras bem tampadas;
-Deixe ralos limpos e com aplicação de tela;
-Não utilizar pratos em vasos ;
-Limpe com escova ou bucha os potes de água para animais;
-Retire água acumulada na área de serviço, atrás da máquina de lavar roupa.
-Cubra e realize manutenção periódica de áreas de piscinas e fontes ornamentais;
-Limpe ralos e canaletas externas;
-Substitua bromélias e outras plantas que podem acumular água;
-Deixe lonas usadas para cobrir objetos bem esticadas, para evitar formação de poças d’água;
-Pneus devem ser mantidos em local coberto.





COMENTÁRIOS







VEJA TAMBÉM