GERAL

Conheça o trabalho desenvolvido pelo Creas de Jaraguá do Sul



 
A segunda matéria da série sobre o Combate à violência Contra a Mulher, que tem seu dia lembrado internacionalmente hoje (25), apresenta o trabalho desenvolvido sobre a temática nos Centros de Referência Especializados de Assistência Social (Creas).
O texto situa o leitor sobre mais diversas formas de violências e sobre os possíveis canais de denúncia. A série de reportagens têm parceria entre Secretaria de Assistência Social e Habitação e Diretoria de Comunicação.

Jaraguá do Sul conta hoje com dois CREAS, cujo público de atendimento são pessoas que sofrem algum tipo de violência, sendo eles: crianças, adolescentes, idosos, pessoas com deficiência, homens e mulheres.
 As mulheres vítimas de violência são consideradas público de alta prioridade para atendimento pelo Serviço de Proteção e Atendimento Especializado a Famílias e Indivíduos (Paefi), portanto, não necessitam de encaminhamento prévio. 



Em relação às principais violações de direitos acompanhadas pelo Paefi constam negligência e violências psicológica e física, porém, não há registro específico do quantitativo de mulheres vítimas. Dos atendimentos por demanda espontânea, de janeiro a outubro deste ano foram 39 e, em 2019, 41.

O Paefi oferece atendimento especializado para acolher, ouvir, orientar e apoiar a mulher que sofre violência.
O objetivo é oferecer apoio técnico de forma sigilosa, respeitosa e digna, visando a garantia e a defesa de seus direitos no processo de fortalecimento e empoderamento, possibilitando as melhores escolhas diante da situação vivenciada. 

Para tanto, os CREAS realizam atendimentos individuais, visitas domiciliares e contatos com a rede e atendimentos coletivos.
Este último, que está temporariamente suspenso em virtude da pandemia ocasionada pelo coronavírus, é oferecido por meio de grupos de mulheres, promovendo o reconhecimento da violência sofrida, o fortalecimento da mulher e o rompimento desse ciclo. 

É importante destacar que durante os atendimentos são esclarecidos sobre os tipos de violência, pois, muitas vezes, a violência é perpetrada por anos e a mulher não reconhece as situações vivenciadas como tal. Os principais tipos são: 

- Violência psicológica: insultar, humilhar, perseguir, ameaçar, isolar, vigilância constante;
- Violência física: empurrar, chutar, amarrar, bater;
- Violência sexual: pressionar à prática do ato sexual, negar-se a usar preservativo, proibir o uso de métodos contraceptivos;
- Violência moral: caluniar, injuriar, difamar;
- Violência patrimonial: controlar o seu dinheiro, impedir de trabalhar, destruir seus pertences, ocultar bens e propriedades.



A equipe multiprofissional é composta por assistente social, psicólogo, pedagogo e terapeuta ocupacional, contando também com intervenções de advogado.
Este esclarece e orienta a vítima sobre os direitos e garantias da mulher vítima de violência, sanando dúvidas, especialmente com relação aos procedimentos adotados, como medidas protetivas de urgência, eventuais processos criminais e processos cíveis que tramitam perante a Vara da Família. 
 





COMENTÁRIOS







VEJA TAMBÉM